19.1.09

Banalização dos alimentos de soja: consumir ou não?


Salsicha vegetal! hum... delicia, mas da Perdigão?
Um dos pontos que vem gerando muita discussão entre vegetarianos/veganos é a banalização dos alimentos de soja. Sem sombra de dúvidas o mercado para os adeptos a esse estilo de vida tem crescido surpreendentemente nos últimos anos, em vista disso, as grandes empresas visando não perder mercado, tem produzido alimentos à base de soja, assim como as salsichas, hambúrgueres, nuggets, kibes entre outros.
A grande questão é: consumir ou não?


Há quem defenda o consumo, pois com o aumento na procura as grandes empresas poderiam focar essa forma de produção, e quem sabe um dia abandonar as granjas e os matadouros. Que é um processo lento, mas o simples fato dessas companhias estarem produzindo esse tipo de alimento já é um grande avanço. Outra tese é que na atualidade, com a vida corrida e tudo mais, muitas pessoas não se tornam vegetarianas por não ter tempo para cozinhar e não ter opções rápidas e práticas com valores acessíveis.
Por outro lado os que são contra, afirmam que consumir é o mesmo que financiar a morte dos animais. É como o tráfico, você não mata uma criança que vende drogas diretamente, mas pelo simples fato de consumir, está pagando para que isso aconteça.

 
É defendida a postura contra as empresas, pelo fato que as mesmas não tem nenhum interesse em apenas fornecer alimentos a essa segmentação do público e sim cobrir as perdas que as mesmas estão sofrendo com o boicote à carne. A indústria da morte não é barata, e como se sabe os métodos para que a carne chegue ao seu prato são frios e cruéis, e consumir qualquer produto que seja da empresa é um mesmo crime.
As empresas se defendem dizendo que apenas querem agradar a todos os paladares, mas há outra questão a ser debatida: até que ponto podemos confiar que aquele alimento é integral, livre de qualquer contato com a morte de uma animal? Há também o levantamento, que já foi aprofundado em postagem passada, sobre a quantidade de áreas florestais que são derrubadas para a plantação de soja. Essa é mais uma discussão.



Eu, pessoalmente, prefiro cozinhar os próprios alimentos. Muito pelo contrário do que muitos pensam, é fácil e rápido de se fazer alimentos de soja, e são infindáveis as variedades de pratos que podemos fazer,tendo umas 2 horas um domingo de folga, que duram a semana inteira.
Existem empresas que são totalmente voltadas ao mercado vegetariano/vegano. Sugiro as  marcas Goshen  (congelados - vegan/ovolacto), SuperBom (enlatados vegans) e Olvebra (enlatados,congelados, industrializados em geral - vegan) com  variedade de alimentos saborosíssimos sem qualquer tipo de contato com a exploração animal. No entanto, não é fácil encontrar esses produtos em todas as cidades.

Encerro sem uma conclusão definida, uma vez que por mais que evite ao máximo o consumo de empresas que exploram, e saber que a venda de qualquer produto das mesmas será investido em morte, muitas das pessoas que utilizam dessa fonte para substituição, deixam de comer animais, e mudam seu estilo de vida.

--

6 comentários:

Gahbby disse...

Meu... muito boa a matéria!!!!
Debateu dois pontos muito importante sobre o assunto...

Concordo com o seu ponto de vista... pois se o vegetarianismo tbm tem a itenção de parar com essas produção massificada de carne, porque finaciar os custos da empresa pagando por um produto vegetariano q eles produziram soh pra naum perder consumidor???

Realmente naum confio em indústrias, e da mesma forma q eles utilizam a gordura trans em seus produtos, os fazendo saborosos mas totalmente prejudiciais a saúde, como naum desconfiar q eles possam usar carne ou derivados animais em seus produtos vegetarianos/vegans?...

Abordou um ótimo assunto hein!!! Parabéns!!!

Gabriela disse...

Muito boa a matéria, gostei muito.
Me interessei muito em conhecer as receitas, pois adoro os alimentos a base de soja q são preparados em casa. Você poderia me mandar algumas?

Anônimo disse...

Ué, como assim vocês escrevem um artigo desses e nem sequer escrevem as palavras MONOCULTURA e TRANSGÊNICO?!
Fico impressionada com a limitação do veganismo nas prateleiras dos supermercados!

Roberto disse...

Sou do grupo de pessoas que pensa que este tipo de produto tem que ter a produção incentivada. Sempre que algum produto novo surge corro para experimentar e compro também como apoio à iniciativa.

Quanto à questão ética: estaria eu financiando a produção de alimentos com sangue? Não vejo desta forma. Estou pagando pelo que estou consumindo. A empresa tem direito de fazer o que bem entender com este dinheiro. Um exemplo: tenho uma empresa com muitos funcionários, o salário que pago a eles, estes vão gastar comendo carne. Devo me sentir culpado por isto? Ou quem sabe alertá-los que o dinheiro que eles ganham não pode ser "investido" em alguns alimentos? Se eles gastam, ou se o empresário investe, o dinheiro em algo ilegal ou imoral é um problema para sua consciência, não para a minha de consumidor ou empregador.

Também creio que se houvesse alguma coisa de origem animal alguém já teria descoberto e conseguido uma indenização milionária. Acho que neste ponto há um pouco de teoria da conspiração demais.
Abraços

clandestina secreta disse...

Pois é... e essa última descoberta sobre a yoki? foi a própria empresa quem assumiu utilizar vitamina d extraida de animais.

Anônimo disse...

Eu estou passando a não comprar mais coisas de empresas e lojas que vendam produtos de origem animal.

Anotei os nomes das três empresas que sugeriu.